Tomás, o Louco, São Paulo — 1982

 

Esta direção foi uma criação de espaço teatral colada à realização do texto. É uma concepção integral de uma ideia cênica: criação do espaço, direção de ator, figurino, música, luz e relação com o espectador.

 

O espetáculo retoma de forma elaborada o Teatro Didático de Brecht, com toda a sua complexidade de forma e estrutura (dialética do espectador). A dialética do texto foi utilizada na "marcação" do espaço do ator, "marcação" que se encaminhou na minha obra para o término, na medida em que foi substituída pela Coreodramaturgia na década seguinte.

 

Para compreender a inserção de Tomás, o Louco, seria necessário ler Brecht via América Latina (em pequeno ensaio solicitado pela Editora Nacional, ainda inédito) onde situo Tomás, o Louco em relação a Brecht-mestre.

 

Nesta altura se delineia a questão: 0 ESPAÇO TEATRAL é diferente do LUGAR TEATRAL?

 

Várias montagens podem ser feitas a partir desse tópico e elas vão aparecer ao longo das próximas criações. 0 próprio Tomás, o Louco jogou algumas vezes com o espaço teatral = cena extracotidiana com lugar teatral = cenas cotidianas. Ou, coloquei a cena cotidiana (escolas, creches, secretarias de estado, etc.) no espaço teatral para ser vista em outro nível.

 

1/6

teatro em sala de aula | Tomás, o Louco

 

fotos de Adão Pinheiro

espetáculo | Tomás, o Louco

 

programa | Tomás, o Louco

 

imprensa | Tomás, o louco

 

© 2019, Joana Lopes.